Nelson Piquet sugere morte a Lula; senador do PT levará caso ao Ministério Público

Foto: Reprodução

O ex-piloto de Fórmula 1 Nelson Piquet sugeriu, nesta quarta-feira 2, a morte de Lula (PT). Em vídeo que circula nas redes sociais, o bolsonarista pede ‘Lula lá no cemitério’ e profere xingamentos ao presidente eleito. Piquet, vale dizer, foi um dos maiores doadores da campanha do candidato derrotado Jair Bolsonaro (PL).

“Tudo em paz…vamos botar esse Lula, filho de uma p*, pra fora disso”, comenta o ex-piloto. Em seguida, Piquet completa o slogan bolsonarista ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’ com a sugestão de morte ao presidente eleito: “E Lula lá no cemitério. Filha de uma p*!”.

Nas imagens, é possível ver que Piquet participava das manifestações golpistas que, após travar diversos trechos de estradas pelo Brasil, se postaram em frente a quartéis do Exército pedindo intervenção militar. Em um desses protestos, bolsonaristas chegaram a fazer saudações nazistas.

Após a repercussão do caso, o senador Humberto Costa (PT-PE) informou que levará o caso ao Ministério Público. Pelas redes sociais, comentou o ocorrido:

“Estou entrando com uma representação junto ao MPDFT contra o ex-piloto golpista, Nelson Piquet. […] Piquet ameaça a vida do ex-presidente Lula. Não podemos normalizar o ódio e a barbárie. O bolsonarismo precisa ser expurgado do Brasil”, escreve o parlamentar.

Histórico de escândalos

Piquet é um dos defensores mais efusivos de Bolsonaro nos últimos anos. Antes da doação de 501 mil reais durante a campanha, a empresa do ex-piloto recebeu 6,6 milhões de reais em contratos com o Ministério da Agricultura durante a atual gestão. Vale lembrar ainda que, a mesma empresa, a Autotrac Comércio e Comunicações, deve 6,3 mil reais em impostos.

Recentemente, Piquet ainda se envolveu em um escândalo racista, em que chama o campeão de Fórmula 1, Lewis Hamilton, de ‘neguinho’ por diversas vezes durante uma entrevista. O caso está na Justiça e, caso seja condenado, Piquet poderá ter que desembolsar 10 milhões de reais em indenizações.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *