Contágio No Mercado De Criptos

Contágio No Mercado De Criptos

GET FREE FOLOWERS TIKTOK

GET FREE INSTAGRAM TIKTOK

O colapso da exchange FTX está preocupando os participantes do mercado cripto. A empresa era considerada uma das maiores corretoras do setor; porém, após o desenrolar de uma crise explicada recentemente aqui no UOL Economia, a corretora protocolou pedido de falência em 11 de novembro.

Além de a situação afetar milhares de usuários que utilizavam a exchange para comprar, vender e manter criptoativos, há um risco ainda maior: a queda da FTX pode culminar no “contágio” de todo o setor cripto. Quer entender melhor o problema? Vem com a gente!

O risco do contágio

Por ser uma das principais exchanges do mercado, a FTX fazia a custódia —ou seja, mantinha os criptoativos e outros produtos— de diversas empresas, incluindo instituições financeiras e fundos de investimentos. Contudo, com a sua falência, não é possível saber se estas empresas conseguirão recuperar os próprios ativos.

A incerteza existe porque processos de falência costumam ser burocráticos e demorados. Será necessário levantar o inventário dos ativos mantidos pela corretora e ordenar a preferência de credores, ou seja: listar quem serão os primeiros e os últimos a receber os ativos da massa falida.

Em processos como este, é comum que apenas os primeiros credores consigam reaver os ativos, enquanto os demais da lista ficam sem receber nada. Caso isso ocorra, há o risco de outras empresas também quebrem por conta do prejuízo: esse é o “contágio”, que ocorre quando a ruína de uma empresa inicia um “efeito dominó” que derruba outras companhias.

Qual é o tamanho do problema?

O portal de notícias Coindesk obteve acesso aos documentos do processo de falência que tramita nos Estados Unidos. Segundo o site, a FTX deve dinheiro a cerca de um milhão de clientes, incluindo usuários comuns e grandes empresas.

Nessa linha, se estima que a corretora deve mais de US$ 3 bilhões aos seus 50 maiores credores. Embora não seja possível saber o nome de todas as empresas, há diversos clientes que possuíam, cada um, mais de US$ 100 milhões em ativos depositados na FTX.

Entre as empresas afetadas pela crise, estão a Alameda Research, que era o braço de investimentos da FTX; a Genesis Global Capital, que oferece empréstimos com criptoativos; a Sino Global Capital, empresa de investimentos; a Genesis Block, companhia de negociação cripto; a Gemini, corretora americana de cripto, entre outras.

Criptos e ações sangram durante a crise

O receio de contágio está causando uma crise de confiança generalizada no mercado cripto. Como o futuro de empresas importantes do setor é incerto, parte dos investidores de criptoativos está realocando seus recursos para produtos menos voláteis.

Com isso, o bitcoin, ether e outros criptoativos abriram a semana em queda e acumulam prejuízo considerável desde que a crise da FTX ganhou as manchetes, no início de novembro. Além disso, projetos patrocinados ou apoiados pela FTX, como FTT, SOL, SRM e RAY, podem sofrer ainda mais com a instabilidade.

A crise também está impactando, de forma indireta, empresas de capital aberto do setor cripto. As ações da corretora Coinbase atingiram o menor preço da história nesta semana, enquanto os papéis de Microstrategy, Riot Blockchain e Marathon Digital também caíam significativamente.

Nesse momento, é recomendado agir com cautela e evitar realizar aportes que comprometam uma parcela significativa do portfólio. Por outro lado, o momento de baixa pode ser considerado interessante para investidores que apostam no longo prazo e desejam entrar ou aumentar posição em criptomoedas.

Quer se aprofundar no universo dos criptoativos? Acompanhe os artigos do PagBank PagSeguro no UOL Economia!



GET FREE FOLOWERS TIKTOK

GET FREE INSTAGRAM TIKTOK

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *